Reunião da Comissão Concelhia da Trofa do PCP

A Comissão Concelhia da Trofa do PCP reuniu a 6 de Dezembro e analisou a situação social e diversos temas de interesse de todos os trofenses.
Realizou-se o XIX Congresso do Partido Comunista Português nos passados dias 30 de Novembro, 1 e 2 de Dezembro. Com 2 delegados eleitos ao Congresso e com os convidados que se deslocaram a Almada, a Trofa esteve representada neste ponto alto do Partido. Numa demonstração de unidade de acção, de objectivos, de construção de uma alternativa política e de uma política alternativa o Congresso aponta a necessidade urgente do derrube deste governo e desta política, deste pacto de Agressão, da defesa da nossa soberania e da inevitabilidade do socialismo e comunismo para empreender uma sociedade mais justa e desenvolvida. O programa do Partido foi dotado de actualizações devidas aos desenvolvimentos operados desde a sua última aprovação e mantém, na sua essência, o propósito do alcance de uma Democracia Avançada – Os valores de Abril no futuro de Portugal. O enorme sucesso e diferenças relativamente a outros partidos é notório. Foram visíveis nos grandes meios de comunicação social o elevadíssimo grau de democracia interna, de transparência, de conhecimento da realidade concreta das populações e de soluções para este país que atravessa uma imposição ditatorial de empobrecimento geral da população inadmissível. Bem como a afirmação inequívoca de um Partido insubstituível no panorama português para a defesa dos valores conquistados em Abril de 74 e de todos os trabalhadores.
Circulam comunicados sobre a extinção de freguesias com falsidades que importam esclarecer. A Lei para extinguir 6 freguesias na Trofa (mantendo-se duas – Muro e Covelas e criando 3 novas freguesias – União de freguesias de Alvarelhos e Guidões, de Bougado/São Martinho e Santiago e de Coronado/São Romão e São Mamede) é aplicada e criada por este governo PSD/CDS-PP. Quem votou a favor da extinção das nossas freguesias foram os deputados do PSD e do CDS-PP. Quem assinou o memorando do Pacto de Agressão foram o PS, o PSD e o CDS-PP. Estas tentativas constantes de enganar o povo,- dado que estão previstas eleições para o ano que vai entrar e ainda as afirmações dos partidos PS e PSD para começarem, desde já, as suas campanhas eleitorais -, surgem numa vã tentativa de justificar o injustificável! Esta Reforma Administrativa tem à sua frente uma população que não abdica da luta e defenderá a sua freguesia até às últimas instâncias. Mesmo com esta Lei aprovada na Assembleia da República ainda há muito caminho e muita luta a realizar, sob as mais variadas formas possíveis. Se os estudos para a extinção de municípios avançar será interessante verificar as posições do PS, do PSD e do CDS-PP relativamente a esta matéria. Os trofenses sabem que o único partido que defende sempre da mesma forma o nosso Concelho, quer na Trofa, quer na Assembleia da República ou mesmo no Parlamento Europeu é o PCP.
Os Passos do Concelho continua num impasse inadmissível. A solução apontada pelo Executivo PS era a construção na zona da Estação velha através de uma parceria público privada e agora encaminha-se para continuar a pagar renda num edifício alugado para o efeito. A Comissão Concelhia da Trofa do PCP afirma que o edifício dos Passos do Concelho deve ser do Estado, para poupar milhões do erário público em rendas, para dignificar o Poder Local Democrático, para não depender de privados. Defendemos um projecto de raíz que sirva os interesses dos trofenses, num dos terrenos da zona Sul após o actual pólo onde funciona a Câmara, com a possibilidade de financiamento do QREN e não em parceria público privada.
Trofa, 10 de Dezembro de 2012
A Comissão Concelhia da Trofa do Partido Comunista Português
trofaA Comissão Concelhia da Trofa do PCP reuniu a 6 de Dezembro e analisou a situação social e diversos temas de interesse de todos os trofenses.
Realizou-se o XIX Congresso do Partido Comunista Português nos passados dias 30 de Novembro, 1 e 2 de Dezembro. Com 2 delegados eleitos ao Congresso e com os convidados que se deslocaram a Almada, a Trofa esteve representada neste ponto alto do Partido.
Numa demonstração de unidade de acção, de objectivos, de construção de uma alternativa política e de uma política alternativa o Congresso aponta a necessidade urgente do derrube deste governo e desta política, deste pacto de Agressão, da defesa da nossa soberania e da inevitabilidade do socialismo e comunismo para empreender uma sociedade mais justa e desenvolvida.
O programa do Partido foi dotado de actualizações devidas aos desenvolvimentos operados desde a sua última aprovação e mantém, na sua essência, o propósito do alcance de uma Democracia Avançada – Os valores de Abril no futuro de Portugal. O enorme sucesso e diferenças relativamente a outros partidos é notório. Foram visíveis nos grandes meios de comunicação social o elevadíssimo grau de democracia interna, de transparência, de conhecimento da realidade concreta das populações e de soluções para este país que atravessa uma imposição ditatorial de empobrecimento geral da população inadmissível. Bem como a afirmação inequívoca de um Partido insubstituível no panorama português para a defesa dos valores conquistados em Abril de 74 e de todos os trabalhadores.
Circulam comunicados sobre a extinção de freguesias com falsidades que importam esclarecer. A Lei para extinguir 6 freguesias na Trofa (mantendo-se duas – Muro e Covelas e criando 3 novas freguesias – União de freguesias de Alvarelhos e Guidões, de Bougado/São Martinho e Santiago e de Coronado/São Romão e São Mamede) é aplicada e criada por este governo PSD/CDS-PP. Quem votou a favor da extinção das nossas freguesias foram os deputados do PSD e do CDS-PP. Quem assinou o memorando do Pacto de Agressão foram o PS, o PSD e o CDS-PP.
Estas tentativas constantes de enganar o povo,- dado que estão previstas eleições para o ano que vai entrar e ainda as afirmações dos partidos PS e PSD para começarem, desde já, as suas campanhas eleitorais -, surgem numa vã tentativa de justificar o injustificável! Esta Reforma Administrativa tem à sua frente uma população que não abdica da luta e defenderá a sua freguesia até às últimas instâncias.
Mesmo com esta Lei aprovada na Assembleia da República ainda há muito caminho e muita luta a realizar, sob as mais variadas formas possíveis. Se os estudos para a extinção de municípios avançar será interessante verificar as posições do PS, do PSD e do CDS-PP relativamente a esta matéria. Os trofenses sabem que o único partido que defende sempre da mesma forma o nosso Concelho, quer na Trofa, quer na Assembleia da República ou mesmo no Parlamento Europeu é o PCP.
Os Passos do Concelho continua num impasse inadmissível. A solução apontada pelo Executivo PS era a construção na zona da Estação velha através de uma parceria público privada e agora encaminha-se para continuar a pagar renda num edifício alugado para o efeito. A Comissão Concelhia da Trofa do PCP afirma que o edifício dos Passos do Concelho deve ser do Estado, para poupar milhões do erário público em rendas, para dignificar o Poder Local Democrático, para não depender de privados. Defendemos um projecto de raíz que sirva os interesses dos trofenses, num dos terrenos da zona Sul após o actual pólo onde funciona a Câmara, com a possibilidade de financiamento do QREN e não em parceria público privada.   
Trofa, 10 de Dezembro de 2012
A Comissão Concelhia da Trofa do Partido Comunista Português

logo XIIAORP